Uma Malla pelo mundo Interney.net/blogs/malla

sexta-feira, janeiro 11, 2008

O peixe-boi do rio Crystal

Manatee 1

Em março de 2007, estivemos na Flórida. Foi minha primeira vez no estado - passar brevemente pelo aeroporto de Miami em conexão não conta no meu manual de viagens. A primeira intenção na Flórida era visitar um casal amigo nosso de tempos de Havaí, que havia se mudado para St. Petersburg, na costa do Golfo. Teresa, minha amiga, estava grávida e pelas suas contas quando a contactei, faltava ainda um mês para a bolsa d'água estourar. Nossa visita seria um agradável presente pré-parto (e soubemos na estrada a caminho para sua casa que o neném se antecipara e nascera poucos dias antes).

A intenção número 2 era mergulhar em Key Largo, fazer o Creature Feature oferecido pelo Captain Slate. A intenção número 3 apareceu durante a passagem pelo Havaí semanas antes: fomos incentivados pelo Mario a mergulhar no naufrágio Spiegel Grove, "o melhor mergulho da Flórida" na opinião dele. Adicionamos essa aventura na lista, é claro. Mas foi a quarta intenção, aquela menos alardeada e menos pensada, a que se mostrou inesquecível em todos os sentidos. Estando em St. Petersburg, poderíamos ir até Crystal River passar o dia. Essa minúscula cidade tem um atrativo especial a biólogos e amantes da vida selvagem exatamente no período entre janeiro e março, inverno no hemisfério norte: é a época em que os peixes-boi-americanos aparecem para se aquecer nas águas quentes das nascentes da região.

Peixes-boi não gostam de frio. No verão, os da espécie Trichechus manatus latirostris passeiam pela costa leste americana, e alguns já foram registrados até a altura do estado de Nova York. Mas no inverno, quando as águas do Golfo do México estão mais quentes que no Atlântico, eles se agrupam nas regiões estuarinas do lado oeste da Flórida, e ficam lá, aproveitando o quentinho. Como são animais quase exclusivamente aquáticos - e sabemos que na água perde-se calor muito mais facilmente - desenvolveram uma série de adaptações para não sofrerem com hipotermia: além da espessa camada de gordura abaixo da pele já grossa, fazem essa migração anual em busca do calor que sai das fontes naturais - ou artificiais, já que eles também podem ser avistados próximos à saída de água quente de usinas termoelétricas. Pelo sul dos EUA, onde tem água à temperatura média de 22˚C, lá estará o peixe-boi.

Assim como o peixe-boi, eu também não gosto de frio. A idéia de acordar às 4 da manhã no inverno, dirigir 1 hora pela rodovia Suncoast (com vários pedágios), depois 40 minutos pela US-19 até Crystal River, e cair na água (!!!) às 7 da matina, com uma temperatura ambiente de quase zero, não me apetecia em nada. Aquilo mais parecia convite à pneumonia, isso sim. Mas, apesar da minha relutância térmica, resolvemos arriscar a aventura.

Manatee 10Manatee 5
Olha o frio neblinado que estava quando a gente chegou em Crystal River! A névoa sobre a água já era um sinal de que a temperatura da mesma estava maior que a atmosférica. Para minha sorte. Ao lado, mãe e filhote de peixes-boi respirando na superfície.

Qanto mais fria a temperatura ambiente, mais o peixe-boi se agrega. Portanto, a manhã gélida poderia ser entendida como bom presságio. Quando chegamos na cidade, fomos direto à operadora Bird's Underwater, com quem já havíamos marcado pela internet um tour na manhã seguinte. (Parênteses: o nome Bird's Underwater não tem nada a ver com passarinho. O apelido do ávido mergulhador e dono da loja é Bird. De tanto perguntarem: "Where's Bird?" e os balconistas responderem: "Bird is underwater", resolveram adotar o nome da loja dessa forma. Nós conhecemos o Bird, que não estava "underwater" no dia que lá estivemos. Fim do parênteses.) Como estávamos em Crystal River um dia antes, decidimos "fazer o que dava" e aproveitar a manhã.

Conversando na loja, descobrimos que poderíamos alugar um barquinho a motor por 10 dólares a hora, o que era muito barato, dada a independência que teríamos de ir para onde quiséssemos na Kings Bay. Alugamos o barquinho. Um mocinho de uns 15 anos mostrou como manobrar o barco e entregou um mapa das áreas onde podíamos ir e que haveria peixes-boi. Fomos direto para à mais famosa: Three Sisters Spring.

Manatee 6Manatee 8
Visões da nascente de Three Sisters, na Flórida.

A sensação quando entramos no canal que leva a essa nascente era de estarmos numa "Veneza americana". Pontes e várias ruelas aquáticas, que serviam de píer para inúmeras mansões. Ficamos sabendo depois que há um clima tenso entre os moradores das mansões e as operadoras de turismo local. Obviamente, um bando de mergulhadores todos os dias fazendo fila no quintal da casa de magnatas não é bem o conceito de privacidade sonhado por estes. Disse o mocinho da operadora que os moradores inclusive colocaram câmeras voltadas para as principais nascentes, para registrar qualquer tipo de abuso de turista ao peixe-boi. Assim, teriam material para pedir na prefeitura que os tours deixassem de existir, por "abuso ao peixe-boi".

Confusões à parte, o fato é que há uma série de regras para barcos e pessoas que frequentam a área do peixe-boi, além de patrulhas que ficam em caiaques vigiando de perto tudo que está acontecendo. Barcos, por exemplo, não podem sair da marcha neutra e navegar em velocidade de no máximo 5 milhas/hora. As pessoas não podem ir atrás do peixe-boi: é o animal quem vem atrás de você (e ele vem, porque é curioso e dócil). Se o bicho chega perto, você não pode encostar as duas mãos ao mesmo tempo nele, apenas uma. Há algumas áreas delimitadas por bóias onde o peixe-boi fica, e nessas áreas é proibida a entrada de pessoas.

Manatee 11Manatee 12
Manatee 4Manatee 9
Há regras para ver o peixe-boi. Existe uma área delimitada por bóias, onde turistas não entram. Há patrulha de caiaque, vigiando e contendo abusos. Só podemos tocar com uma mão o animal, como faço na foto. Agora, o peixe-boi não entende a regra da bóia e termina passeando fora da área marcada, como vemos na última foto. Para delírio da galera.

Chegamos em Three Sisters Spring e uma legião de barcos já estava por lá. A temperatura ambiente ainda era gélida, mas quando vimos a quantidade enorme de peixes-boi agrupados... não deu pra resistir. Eram uns 20 embaixo d'água e de cima do barco, pareciam rochedos estacionados no fundo, que só se moviam lentamente à superfície para respirar de tempo em tempo. Amarramos o barco numa borda e pulamos na água. Que estava incrivelmente morna, para minha salvação. Uma delícia.

Manatee 3Manatee 7
A vista geral dos "rochedos" que são os peixes-boi embaixo d'água descansando quando chegamos na nascente. Ao lado, turistas interagem com um filhote - que estava adorando aquela farra!

Tinha gente por lá, e vários peixes-bois faziam a graça de sair da área delimitada e brincar com os turistas - principalmente os filhotes, que são mais curiosos ainda. Eu fiquei um tempão com eles, brincando, passando a mão e sentindo o quanto aquele corpanzil todo era dócil. Sem dúvida, o animal selvagem mais tranquilo com que já interagi. Ele olha pra você como se pedisse o seu carinho, é simplesmente inacreditável.

Ao lado da área principal onde esse grande grupo se agregava, havia uma entradinha minúscula, como se fosse um córrego, que depois de uma nadadinha básica chega num lago. Lá dentro era a verdadeira nascente de Three Sisters, com uma borda verde mágica - e mansões, é claro. O lugar me lembrou muito Bonito (MS), dada a clareza da água e a paisagem subaquática. A visibilidade era bastante condizente com o nome Crystal River.

Foi difícil sair da água, mas depois de algumas horas com os peixes-boi, continuamos o passeio. Levamos o barco por um giro pela baía, circulando a ilha Buzzard e chegando perto da Banana Island. Muitos pelicanos nos muros das casas da região. Depois de rodarmos pela baía, finalmente voltamos ao píer onde devolvemos o barco. Voltamos então para St. Petersburg, mas a jornada não estava finda.

O dia seguinte era o dia "oficial" do passeio que já havíamos planejado fazer. Dessa vez, fomos ao mesmo Three Sisters Spring como parte de um tour. No dia anterior, com o barquinho "nosso", chegamos na hora que os tours estavam indo embora, e no final, pudemos curtir os peixes-boi praticamente sozinhos. Com o tour, chegamos bem mais cedo na nascente, que já estava lotada de grupos de turistas, e o frio ambiente era maior - mas a água dava a sensação de mais quente ainda. Tomei umas xícaras de café e, depois de muita ponderação, caí na água novamente. Dessa vez, como já havia brincado à beça com os peixes-boi no dia anterior, me dediquei a observá-los mais - e constatei que há um certo exagero por parte das operadoras com relação ao melhor horário para ver o peixe-boi, já que mesmo mais tarde, nós havíamos interagido com vários sem problema algum. A quantidade de gente ao redor dos animais dificultava entretanto qualquer observação - estávamos no momento-auge do tour. Ficamos quase 1 hora na água, e eu fui uma das primeiras a voltar pro barco, em busca de café quente. Mas mesmo assim, a experiência foi mais uma vez mágica.

O passeio terminou na metade da manhã. Rodamos um pouco por Crystal River, constatando que a cidade vive do turismo do peixe-boi e visitamos o Florida Homosassa Springs Park (que merece um post à parte). Dirigimos até Gainesville para visitar uma amiga minha de faculdade e chegamos à noitinha de volta a St. Petersburg e ao Lucas, o bebê de dias da minha amiga Teresa.

No final das contas, dos 2 dias, preferi muito mais a independência do primeiro, em que alugamos o barquinho. Além de mais barato, pudemos curtir mais tempo com o peixe-boi. Fica então a dica a quem um dia passar por lá. E um pedido: mande um beijo ao peixe-boi por mim. :)

Manatee 2

Tudo de bom sempre.

*****************

Para viajar mais:

- Os peixes-boi eram mamíferos aquáticos ameaçados de extinção de acordo com a lista do IUCN. Em junho passado (ou seja, alguns meses depois da nossa visita), o estado da Flórida retirou-os dessa categoria, e passou a considerá-los apenas como vulneráveis, pressionado pelos grupos de pesca industrial - o que deixou muitos grupos ambientalistas preocupados, com razão. Para evitar problemas futuros, o IUCN, no fim de 2007, reiterou o status do peixe-boi americano como "ameaçado de extinção" devido ao número baixo de indivíduos - menos de 2500 vivos. Há agora uma discussão entre as autoridades locais e estaduais da Flórida sobre que status valerá. Enquanto isso, o peixe-boi vai sendo protegido, o que é muito bom.

- A notícia tem um título exagerado (típico do portal Terra, aliás), mas não deixa de ser engraçado: as vacas marinhas flertam. Não é um amor?

- A Flórida tem em sua divisão administrativa o "Manatee County", que é o condado do peixe-boi. Ironicamente, Crystal River, a cidadeque abriga tantos peixes-boi, não fica nesse condado, e sim no "Citrus County", o condado da laranja. Vai entender...

- Mais fotos de peixe-boi aqui. E, aos bons de memória, eu já escrevi antes sobre o peixe-boi: para a Mergulho e para a blogagem de amamentação. Faltava mesmo era logar a viagem em si num post detalhado. Ei-lo, finalmente. :)

Marcadores: , ,